Search
terça-feira 12 dezembro 2017
  • :
  • :
Última Atualização
Banda islandesa rSigur Rós reuniu cerca de 7 mil no Espaço das Américas, em edição do Popload Gig É uma cena difícil de imaginar: um artista islandês lotando praticamente todos os 7 mil lugares de uma casa como o Espaço das Américas, em São Paulo. E não se trata da consagrada Björk e nem dos “queridinhos” do Lollapalooza Of Monsters and Men, que já esteve no Brasil duas vezes recentemente. O grupo em questão é o Sigur Rós, um (agora) trio de post rock/post punk cultuado mundialmente e que retornou ao Brasil após 16 anos da passagem anterior. O show, uma “edição de luxo” do Popload Gig, foi uma espécie de encontro ritualístico, que pouco teve de interação e agitação, mas no qual os presentes puderam compartilhar da atmosfera reflexiva criada pelas sonoridades estendidas e os cenários iluminados dos europeus. As estruturas foram fundamentais para o show. Havia diversos bastões e construções que mudaram de brilho e entonação conforme a canção apresentada e o telão foi uma atração complementar, exibindo tanto gravações de cenários filmados quanto animações baseadas em formas geométricas, variando cores e dimensões de profundidade. Até por isso (a impossibilidade de trazer a estrutura completa de show), a banda demorou a vir ao Brasil, segundo os integrantes revelaram em entrevista ao Estado de S. Paulo. Com os estímulos visuais, o show do Sigur Rós foi praticamente “silencioso” por parte do público. Ninguém cantou junto – até porque praticamente ninguém entende islandês ou “vonlenska”, língua criada pelo líder da banda, Jónsi Birgisson – e os gritos vinham normalmente quando as canções acabavam ou quando mudavam drasticamente de direção para um momento de maior agitação. O próprio vocalista e guitarrista até interpretou algumas das poesias, mas o jeito que ele abordou e costuma abordar os vocais acabou fazendo do microfone praticamente um instrumento adicional na sonoridade dos islandeses.

Institucional

Rádio Tribuna FM

Modernas e segmentadas, as rádios Tribuna FM Vitória e Cachoeiro combinam com os melhores e mais requintados ambientes. É a rádio para ouvintes contemporâneos, maiores de 25 anos, das classes AB e C, de bom gosto, formadores de opinião, e que estão no centro das decisões.

Num meio em que a diversidade musical está presente em todas as mídias, a Tribuna FM opta pela qualificação. A programação privilegia o melhor da música brasileira e internacional, além de oferecer informativos com os principais fatos e acontecimentos do Estado, do Brasil e do mundo.

Fundada em 30 de março de 1980 sob o prefixo ZYC 503, a Rádio Tribuna FM Vitória tem sua história marcada por mudanças significativas e pioneiras.

De sua fundação até 1985 a Tribuna FM Vitória teve uma programação popular. Em 1986 passou a ser mais segmentada, nos moldes da rádio JB, do Rio de Janeiro. Já nesta época a Tribuna FM era a única rádio a tocar músicas de CD, acompanhando de perto a evolução tecnológica.

Em 1992, a Tribuna FM, numa atitude avançada, elimina todos os seus discos em vinil e passa a operar exclusivamente com CDs e tocar música 24 horas por dia.

Em 1994 a Tribuna FM dá mais um passo à frente de sua concorrência: é a primeira rádio do Estado e uma das primeiras do Brasil totalmente digitalizada.

Em 1995 a Tribuna FM conquistou o Prêmio Colibri de Ouro, como “Veículo de Comunicação do Ano”, numa votação expressiva de fornecedores, agências de propaganda e anunciantes.

A Tribuna FM mantém seu perfil diferenciado que a consagrou, sempre irradiando para todo o Estado sua programação de altíssima qualidade, com o melhor da música para ouvintes mais exigentes. Ouça. Viva a diferença.

 

Rádio Tribuna AM

A Tribuna AM mescla música e informação na medida certa. Uma rádio alegre e interativa, onde o ouvinte tem voz e participação ativa.

Levar informação e entretenimento aos cidadãos de todo o Estado e para qualquer região do País. Comunicar, informar dos fatos e acontecimentos, contribuindo para a cidadania. Com esses princípios a rádio Tribuna AM coloca em primeiro lugar a responsabilidade social, colaborando com os cidadãos na defesa de seus direitos. Também privilegia o entretenimento, através de seus comunicadores que apresentam uma programação variada ao longo do dia.

A interação e participação do ouvinte pontua a programação da rádio, que tem perfil popular, focado nas classes C e DE, privilegiando na sua programação os sucessos atuais dos mais variados estilos, especialmente o sertanejo e os grandes intérpretes da música brasileira.